Para debater “Moda na Era Phygital”, a 8ª edição da Feira Brasileira do Varejo (FBV) realizou um bate-papo, em parceria com a ESPM, na noite da última segunda-feira (23), com a presença da fundadora e proprietária da Malharia Anselmi, Maria de Lourdes Anselmi, e da diretora criativa da empresa, Sandra Anselmi. A mediação foi responsabilidade do designer, produtor de moda, cenógrafo e figurinista, Antonio Carlos Rabadan. Um dos principais temas abordados pelas empreendedoras, que são mãe e filha, foi o futuro das lojas físicas e digitais, além das tendências acerca das novas formas de consumo.

Painel sobre moda aconteceu na segunda-feira 24), em formato digital.

As painelistas, que são lideranças da companhia gaúcha referência no mercado têxtil brasileiro, destacaram alguns pontos importantes da história da Anselmi, como a criação de laços com os consumidores. Segundo a matriarca da família e criadora da Anselmi, Maria de Lourdes, o varejo físico ajuda a cuidar das pessoas e proporciona uma experiência positiva, considerando um atendimento de excelência. “Há quem diga que não vai mais ter o comércio físico, mas ele vai coexistir com o mercado digital. Para que as pessoas continuem indo até as lojas, é preciso prestar um serviço muito bom. Além disso, o presencial dá credibilidade para quem não conhece a marca fazer compras online“, pontuou.

Nascida em Farroupilha, assim como a organização, Maria de Lourdes afirma que um dos maiores desafios da pandemia foi a necessidade de se reconectar com o público e conversar com ele. Contudo, a dona do negócio lembra que a Anselmi começou a investir cada vez mais em atacado e varejo virtuais, além de canais de comunicação com o consumidor. Inclusive, o empreendimento se prepara para a sua internacionalização e, nos próximos meses, está previsto o começo das vendas eletrônicas nos Estados Unidos e na Europa. “Em 2020, tivemos um crescimento de 15%, apesar do difícil cenário que vivemos. E, neste ano, devemos registrar uma ampliação de 70% no faturamento, o maior avanço anual da empresa”, avaliou Maria de Lourdes.

Neste contexto, Sandra reflete sobre as mudanças nos hábitos dos consumidores, que buscam cada vez mais conforto nas peças de roupas, especialmente após um longo período em isolamento social. A diretora criativa pensa que, embora existam essas tendências no mercado, é necessário ser fiel ao próprio DNA da empresa. “O mais importante de tudo é ser autoral. Quando falamos sobre moda, discutimos sobre o comportamento de um consumidor ou a necessidade de um momento que estamos vivendo. A moda é um reflexo da nossa sociedade. E, na pandemia, foi um grande desafio entender o que as pessoas estavam buscando”, disse.

Ao final do seminário, ela reforçou o papel familiar da companhia e a relevância da humanização com clientes e colaboradores. Atualmente, junto com os irmãos e a mãe, trabalha na consolidação e na ampliação da Anselmi e acredita que é essencial ponderar e analisar as melhores maneiras de se relacionar com o público. “Precisamos pensar no que o consumidor vai sentir. Se tocar o coração dele, vai dar certo. Sempre penso no que ele vai sentir quando estiver na loja. Então, esse é o princípio do trabalho. Fazer sempre o que acredita. Normalmente, o caminho mais duro é o mais correto a seguir”, resume Sandra.

DESAFIO FASHION

Durante a realização do painel, foi lançado o Desafio Fashion (clique para saber mais), concurso da ESPM que traz a oportunidade de estudantes e profissionais da moda apresentarem projetos para o público, que está com inscrições abertas até 13 de outubro. O resultado final será divulgado em 21 de outubro.

PROGRAMAÇÃO

Na próxima segunda-feira, 30, acontecerá o painel de encerramento da 8ª FBV com o temaPerspectivas do Varejo e da Economia para 2022”. Inscreva-se gratuitamente e participe!